Caminhada e corrida

Caminhar e correr não são duas atividades incompatíveis. Muito pelo contrário, uma pode complementar a outra.

Quer se trate de um atleta de competição ou de alguém que corre duas ou três vezes por semana apenas porque gosta de o fazer, as caminhadas têm sempre lugar na vida de quem corre.

Ao contrário da corrida, a caminhada é uma atividade de impacto muito ligeiro e por isso mesmo pode ser uma boa alternativa para quem quer percorrer uns bons quilómetros e não se cansar por aí além.

“Corrinhar”

Uma palavra criada por quem gosta de aventuras que envolvam grandes distâncias e onde não se torna prático, ou possível, correr durante todo o tempo. “Corrinhar” é o mesmo que correr e caminhar.

Alguns exemplos mais conhecidos são a travessia da Serra da Estrela ou os Caminhos de Fátima. Apaixonados da corrida vivem tais aventuras não-competitivas correndo nos trechos mais acessíveis e caminhando onde o piso se torna mais técnico ou íngreme.

É possível fazer tais percursos sozinho mas recomenda-se que, quando possível, e principalmente se não se for bem experimentado nestas andanças, se faça acompanhar de uma ou mais pessoas de sua confiança e semelhante capacidade física.

Para quem gosta de competição

Para quem gosta de competir em corridas, quer seja para lugares no pódio ou simplesmente para bater os seus recordes pessoais, caminhar pode parecer um desperdício de energia. Mas não é bem assim.

Caminhar é uma boa atividade para complementar o treino competitivo. E ainda melhor depois de efetuar um treino intenso ou uma prova que deixe as pernas doridas. Depois de tais treinos ou provas os músculos ficam bastante sensíveis e é recomendável fazer alguma atividade física que os estimule muito levemente no dia seguinte. As caminhadas são perfeitas para isso. Ativam as fibras musculares, aceleram a circulação sanguínea aumentando a velocidade de eliminação de metabolitos, e o melhor de tudo é que os impactos são mínimos.